Pai.

14 jul
As lágrimas escorrem pelo meu rosto  ao  tomar  uma decisão em  minha vida. Que muda toda a minha  vida, todos  os meus  planos  anteriores.
Como  me  imagino daqui  10 anos? Morta.
Ele – ou será que  deveria  chamá-lo de pai? Bem,  acho  que não –  guarda um ódio do tamanho do universo. Um ódio  que machuca. E vive  em um  mundo  onde  a única  coisa que  importa  são os  pensamentos  dele. Ele não mede palavras e palavrões para  ofender seja  lá quem  for  o  azarado que estiver por perto. Coleciono palavras  atiradas  contra  mim,  que machucam muito  mais do que  pedras.  Coleciono  palavrões.
Nenhum  sorriso. Nenhuma  palavra de  consolo. Nenhum abraço. Nada de  bom ou eliz faz parte  de  minhas lembranças.
Eu realmente gostaria  de  ser alguém  melhor  pra  ele,  por  ele. Gostaria  de  ser  um  orgulho.  Gostaria  que eu fosse a  menina preferida, a  protegida. Nem acharia  ruim  um pouquinho  de ciúmes. Gostaria de  fazê-lo sorrir.  Gostaria de receber  um  abraço seguido de um “Durma bem, minha pequena”.  Gostaria de sentir seus braços ao meu redor enquanto eu choro porque fui mal no teste de  matemática. Gostaria que ele tivesse me ensinado  alguns cálculos  ou  lido  algum livro  para mim.  Gostaria de saber qual é a  sensação de assistir sua mãe  sorrir por ser amada  pelo seu  pai. Gostaria de saber  qual  é a sensação de ser amada pelo seu pai.  Gostaria de  ser um  motivinho  de orgulho, nem que fosse só um  pouquinho. Gostaria que ele me comprasse um presente  alguma vez. Gostaria que ele  lembrasse de  meus aniversários.
Ah, Pai… Porque diabos você é assim, tão odiável? Me  diga, o que aconteceu em sua vida para que tenha  que estragar a minha..
Sinto meu mundo desmoronar e a  minha  cabeça  doer continuamente. Perco meus amores e  minhas idéias, assisto os  dias passarem e não  me  impressiono mais por não saber realmente o  que se  passa  em minha  mente.
Meu sonho até  então era ter  crianças correndo pela casa, me abraçando  ao chegar,  dormindo  comigo e  meu marido na  cama. Hoje, casamento  para mim é sinônimo  de solidão, e filhos para mim são  sinônimos de frustração –  pois é o que  sou para meu “pai”.
Tentei  de diversas maneiras de aproximar,  conversar, contar, abraçar… Mas ele é tão duro  quanto  uma  rocha e  tão frio  quanto  o  gelo. Então, eu desisti dele. Desisti de mim.
Desisti de  ter  uma família. Se é que isso existe.
Ally.
Anúncios

2 Respostas to “Pai.”

  1. Pâmela 14 de julho de 2010 às 3:57 #

    Eu não sei oque não é ter um pai, ou ter uma família. Porque eu tenho a minha, e sei que é a minha base, meu tudo. Li seu texto e notei a tristeza de não ter um pai, e sim um obstáculo. Deve ser dificil pra você, porque afinal ele seria seu espelho. Mas você já pediu a Deus pela vida dele? Pela mudança? Pela restauração? Tente pedir, porque só ele pode mudar a vida de Alguém. Talvez, talvez não, com certeza ele é a unica solução pra qualquer problema! Beijão e fica na paz!

  2. Secreta. 17 de julho de 2010 às 1:48 #

    Eu não tenho pai, mas tenho uma mãe desse jeito.
    Hoje, mais uma vez no dia, chorei pelo jeito dela comigo, e eu sinceramente, posso te afirmar que o motivo da minha tristeza, depressão, vem disso.
    Beijo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: