B.

5 maio

Ela costumava odiar a falsidade e respeitar quem a respeita. Ela também cultivava sorrisos, vários, em seu quintal de memórias – por onde passava, arrancava um novo sorriso de alguém – e não importa o quão triste eu pudesse estar, ela sempre conseguia. Sem contar nas vezes em que ela não me deixou chorar por quem não merece. E nas vezes que ela enxugou essas lágrimas, quando sem querer, escorreram. Ela nunca deixou com que a falsidade prevalecesse, nunca chegou nem perto de apoiar pessoas falsas… Pensando bem, ela costumava ter nojo de pessoas assim. Ela, sim, a minha pequena menina sorridente, ela não deixava pequenas coisas acabarem com grandes amizades. Aquelas, sabe? Que são de verdade.
Mas foi naquele dia. Aquele dia, ninguém sabe ao certo porque – e  aqueles que tentam entender, ficam sem resposta – ela se afastou. Sim, ela se afastou de mim. E eu fiquei sem a minha menina sorridente. Ah, porque é que eu pensava que tinha uma amiga? Eu deveria ter… E me dói usar esse verbo no passado. Bem, hoje, ela não é mais aquilo tudo que eu pensei que fosse – ela se tornou como as outras. Da sua boca só saem palavrões e ofensas. Suas atitudes, com o perdão da palavra, são miseravelmente desprezíveis, desnecessárias e ridículas. Pois é, como as dela. Se é que você me entende.
Diga-me com quem andas, que te direi quem és; Sinceramente, não gostaria que isso acontecesse. Não com ela, sabe? Mas já aconteceu, e agora, bem… Agora não há mais nada a fazer. Já tentei os bilhetes – tudo o que consegui foi alguns sorrisos falsos. Já tentei conversar, mas ela não tinha tempo para ouvir. E também já tentei me aproximar… Mas, desde quando ela é tão fechada assim?

Já tentei de diversas outras maneiras. Usei de todos os meus planos… E  nada funcionou. Mas veja só, agora não depende mais de mim. Eu deixei claro, que sempre (e todas as vezes) que precisar, eu estaria do seu lado, e não importaria as circunstâncias. Mas vejo que você mesma escolheu não contar mais comigo.
E se ainda restam dúvidas, sim, eu estarei aqui quando e sempre que precisar. Afinal, você era a número um, lembra? Espero que sim. O que eu não posso garantir é que eu estarei aqui esperando… Você costumava odiar o ódio e desprezar a falsidade – ao contrário “dela”. Uma vez que você ficou igual a ela (e por favor, não negue, todos dizem o mesmo), eu não faço questão de sua amizade.
E só Deus sabe o quanto dizer – escrever – isso me dói.
É triste perder um amigo.
E você sabe de tudo isso. Ou não. Mas espero que um dia saiba, que, mesmo que você escolha nunca mais ser a mesma minha menina sorridente… Bem, eu estava aqui disposta a te ajudar em tudo. E foi você quem não quis. Só espero que esse dia não seja tarde demais. Se cuide, B.

You can say that you don’t miss me, I think about you every day.


With much love and pain, Ally.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: